Arnica montana: o must have do atleta!

IMG_9837-(2)
Trilogia de fruta
1 June, 2017
IMG_4129_bk
Nos dias mais quentes, atenção redobrada
1 June, 2017
3938392563_cd1600ba0f_b
Maria Barata, farmacêutica.

 

Infelizmente as lesões inflamatórias, como a tendinite e a entorse, e a fadiga muscular fazem parte da vida do atleta. A prática mais comum nesta situação, além do protocolo RICE (Repouso, Gelo, Compressão e Elevação), envolve a utilização de anti-inflamatórios não esteróides (AINE). Contudo, existem riscos associados a esta classe de medicamentos tais como os efeitos secundários (úlceras pépticas, insuficiência renal, etc.), interacções com outros medicamentos e contra-indicações.

A arnica montana apresenta-se como uma opção segura e eficaz. É uma planta rica em substâncias activas, tais como a helenalina, que confere uma acção anti- -inflamatória, analgésica e anti-equimótica. Diversos estudos clínicos comprovam que a helenalina actua ao nível da inibição da síntese de mediadores inflamatórios e, consequentemente, limita a inflamação1.

Existem várias vantagens na utilização desta planta. Por um lado, diminui a inflamação sem perturbar a capacidade de cicatrização e de regeneração dos tecidos. Quando existe inflamação, as enzimas COX-1 degradam o ácido araquidónico em prostaglandinas que são responsáveis por funções fisiológicas tais como a cicatrização dos tecidos. A arnica montana não actua primeiramente nesta enzima mas noutros mediadores inflamatórios e, como tal, não promove, ao contrário dos AINE, um atraso na recuperação tecidular. Por outro lado, a utilização de arnica montana não origina efeitos secundários, não tem contra-indicações ou interacções. Não existe igualmente risco de sobredosagem ou restrição de idade.

A arnica montana pode estar presente em diferentes apresentações farmacêuticas tais como grânulos, no caso de ser um medicamento homeopático, gel ou creme, no caso de ser um medicamento tópico. Muito importante na escolha de uma opção com arnica montana é a qualidade da planta. Na fitoterapia geralmente utiliza-se o extracto seco de arnica, enquanto na homeopatia a utilização da planta fresca garante a riqueza em activos que caracteriza a mesma.

 

Protocolos para recuperação e prevenção de lesões

Existem diferentes protocolos de recuperação de lesões desportivas tendo em conta o tipo de lesão e os sintomas apresentados. Em todas estas situações a Arnica Montana 9CH é o medicamento a utilizar. Além de arnica montana, no caso, por exemplo, de um tornozelo torcido, o desportista deverá tomar Appis Mellifica 9CH para o edema, Bryonia 9CH se a lesão se agravar com o movimento ou Ruta Graveolens 9CH se a lesão melhorar com o movimento. Localmente deve aplicar-se, de manhã e à noite, um gel de arnica montana. Já no caso de uma fractura óssea, além da arnica, o Symphytum Officionalis 5CH (cinco grânulos de manhã e à noite) permitirá uma rápida recuperação óssea.

Muito importante, igualmente, é não esquecer que a arnica montana não é utilizada apenas em situações de traumatologia benigna e de fadiga muscular mas igualmente na sua prevenção. Por isso, fica a dica: uma semana antes de uma prova, utilizar Arnica Montana 9CH, cinco grânulos por dia, para um melhor desempenho e recuperação rápida!

 

  1. Iannitti et al., Effectiveness and Safety of Arnica montana in Post-Surgical Setting, Pain and Inflammation, Am J Ther. 2016 Jan-Feb;23(1):e184-97.