Clorela: contra o stresse oxidativo

shopping-2411667
Escolhas nutricionais: a embalagem conta
1 December, 2017
IMG_0160-(2)
Snacks de clorela
1 December, 2017
vitamins-supplements-herbs_herbs_is-chlorella-good-for-health_1440x1080_496478501

T: Carolina Tinoco, Mestre em Nutrição Clínica

 

Um dos superalimentos que está a dar que falar é a clorela. Esta alga unicelular de água fria, destaca-se pela sua riqueza nutricional: proteínas, vitaminas (complexo B, C, K e E), minerais (ferro e magnésio), ácidos nucleicos, enzimas e ainda clorofila. Este último composto ocupa cerca de 7% da sua biomassa e é responsável pela sua acção cicatrizante, podendo ser igualmente útil em condições digestivas como a inflamação do intestino e os estados de permeabilidade intestinal aumentada.

Quando comparada com a espirulina, a clorela possui um teor proteico inferior, no entanto, tem uma grande capacidade de se ligar a metais pesados como o cádmio, o urânio, o mercúrio, materiais radioativos e ainda toxinas, o que faz desta alga o alimento perfeito para ser utilizado em vários regimes desintoxicantes. Paralelamente, promove a capacidade de resposta do sistema imunitário, o que torna a sua utilização pertinente em atletas de alta competição.

 

 Sistema imunitário reforçado

Chlorella_vulgaris-1024x768Já não é novidade que a prática de exercício físico regular promove os sistemas funcionais do organismo, como por exemplo, o sistema imunitário. Contudo, quando o exercício é mais intenso e o stresse do organismo aumenta, existem respostas neuro-endócrinas que vão desencadear um processo de supressão do sistema imunitário, que, por sua vez, resulta num maior risco de se desenvolver uma infecção, principalmente do trato respiratório superior.

A maior parte das infecções iniciam-se nas superfícies de mucosas, como os nossos olhos, o nariz ou a boca, que são áreas protegidas por um anticorpo específico – o IgA –, que previne a entrada de agentes patogénicos. O IgA na saliva é a primeira linha de defesa contra infecções como as do trato respiratório superior.

E onde é que entra a clorela? Actualmente há estudos que sugerem que esta alga pode ajudar a prevenir este tipo de infecções, ao evitar uma diminuição significativa dos níveis de IgA após uma prática intensa de exercício físico. Além deste potencial anti-inflamatório, a clorela é rica em betacaroteno, uma pró-vitamina que actua como um antioxidante para reduzir os efeitos nefastos dos radicais livres e do stresse oxidativo, beneficiando a saúde dos olhos e da pele e promovendo o combate ao envelhecimento precoce.

Por último, a clorela ajuda a estimular o crescimento da flora bacteriana intestinal e a restabelecer os movimentos peristálticos do intestino, podendo ser útil em casos de obstipação e para manter a saúde intestinal.

 

 Como utilizar

É importante salientar que apenas se usufrui do potencial da clorela quando se rompe a parede celular, algo que não está ao alcance das enzimas gastrointestinais. Para ultrapassar esta questão, a alga passa por um processo de secagem e é posteriormente moída para possibilitar o rompimento da parede. Por este motivo, a melhor forma de consumir a clorela é através de suplementos ou em pó. Poderá adicionar duas a três colheres de café de clorela aos seus sumos, batidos, barras energéticas ou outros alimentos.

Apesar da clorela ser considerada segura, poderá causar alguns distúrbios gastrointestinais e uma maior sensibilizada à luz solar em indivíduos sensíveis a esta alga.

 

Sugestões Celeiro

Clorela em pó bio 100 g Vida Celeiro – 8,99€

Clorela 100 cápsulas Solgar – 19,82€