Coco: Fonte de fibra, hidratação e energia

sara-moreira-4171
“A maratona é especial porque se pensa muito, às vezes a cabeça foge”
16 October, 2015
LR8_6279
Ninguém segura o Bonga
16 October, 2015
Hi-Res-Large-Coconut

Por Salomé Borregana, Nutricionista Celeiro

Fruto do coqueiro (Cocus nucifera L.), o coco cresce nas regiões tropicais, mas é cada vez mais utilizado em todo o mundo pela sua versatilidade e, sobretudo, pelas suas propriedades benéficas.

Versatilidade no uso e nos benefícios

A polpa do coco traz benefícios, devido essencialmente ao seu alto teor de fibras. Pode ser consumida fresca ou desidratada e tem diversas utilizações na culinária. Podem ainda obter-se outros produtos como a farinha de coco, que consiste na polpa desengordurada e moída, uma excelente alternativa para utilizar em receitas sem glúten e sem trigo.

A água de coco encontra-se no coco ainda verde e, além de saciar a sede, possui minerais e vitaminas, como o sódio e o potássio. É, por isso, uma excelente bebida para ingerir durante e após a prática desportiva, pois repõe rapidamente as perdas desses minerais através da urina e da pele, ajudando a evitar a desidratação. Outros minerais encontrados na água de coco são o cálcio, o magnésio, o fósforo, o ferro e o zinco. Entre as vitaminas, destacam-se algumas do complexo B (B1, B2, niacina e ácido fólico) e C.

Também é possível utilizar-se o xarope de flor de coco como adoçante, por exemplo em panquecas, crepes ou outras sobremesas. Quando este xarope é desidratado, obtém- -se o açúcar de coco, que apresenta um sabor subtilmente doce, semelhante ao açúcar mascavado, com um ligeiro toque de caramelo. O seu índice glicémico é baixo (35), pelo que a sua utilização em alternativa ao açúcar ou edulcorantes pode ser uma vantagem.

O poder do óleo

Recentemente, o óleo de coco tem sido alvo de muitos artigos científicos, devido aos seus benefícios para a saúde. Acredita-se que tem um efeito positivo no aumento dos níveis do considerado “bom colesterol” (HDL – high–density lipoprotein) e na redução do “mau colesterol” (LDL – low-density lipoprotein), apresentando um perfil lipídico elevado em ácidos gordos saturados de cadeia média (ácidos láurico, mirístico e palmítico).

As gorduras presentes no óleo de coco são mais facilmente utilizadas na produção de energia, o que resulta num menor grau de armazenamento em tecido adiposo, motivo pelo qual se tem proclamado o seu potencial em dietas de emagrecimento. Para melhor usufruir dos benefícios do óleo, opte por óleos de origem biológica e extraídos a frio, conhecidos como “virgens” ou “ virgens extra”.

No entanto, é preciso ter atenção, pois uma colher de sopa de óleo de coco fornece-lhe, em média, 117kcal e 14g de gordura (12g de ácidos gordos saturados). Devido a um elevado valor energético, aconselha-se um consumo moderado, devendo ser enquadrado numa alimentação variada e equilibrada.