Mundial de Atletismo de 2023 poderá ser em África

IMG_6797
UTMB, da China à Argentina
28 August, 2017
cheiraPorto
Cheira a Porto em Chamonix
29 August, 2017
nairobi-view-640x360

Foto: DR

 

Até agora, nenhuma nação africana organizou o Mundial de Atletismo, mas 2023 poderá ser um o ano de viragem, com a candidatura do Quénia, anunciada logo após a competição deste ano, em Londres.

O ministro do Desporto do Quénia, Hassan Wario, está confiante com a candidatura, lembrando que aquele país já mostrou a sua capacidade quando conseguiu reunir atletas de 130 países para competir nos Campeonatos Mundiais de Sub-18 da IAAF em Nairobi, em Julho.

“Mostramos que somos capazes de organizar eventos mais pequenos e agora chegou o momento de acolhermos grandes competições”, disse Wario na recepção de boas-vindas aos atletas quenianos, que arrecadaram o segundo lugar no Campeonato Mundial, com 10 medalhas ao todo, logo a seguir aos Estados Unidos da América (EUA), com 30.

Recorde-se que há dois anos, o Quénia surpreendeu todos ao ganhar sete medalhas de ouro (16 no total) e terminar no topo do medalheiro dos Mundiais de Pequim – pondo fim à hegemonia dos EUA, que durava desde 2005.

“O Quénia tornou-se a primeira nação africana a conquistar o Campeonato Mundial em Pequim em 2015 e, como tal, é justo sermos o primeiro país a trazer os campeonatos para África”, considerou Wario.

O ministro do Desporto queniano anunciou ainda um plano de construção de três grandes estádios, em Nairobi, Mombasa e Eldoret, assim como outros sete mais pequenos noutras localidades do país.

O Mundial de Atletismo de 2019 será realizado em Doha (Katar) e o de 2021 em Eugene (EUA).