Não trema na altura de escolher a opção mais saudável

20170307_CS©_2962
Hoop Dancing: Para reforçar basta girar
3 April, 2017
land-cress-barbarea-verna-brassica-family
Agrião: 100% de protecção
3 April, 2017
4500313-jelly-wallpapers

A gelatina é frequentemente vista como uma opção “diet friendly” e está associada a “uma sobremesa saudável”. No entanto, é preciso escolher a gelatina certa e prepará-la correctamente para usufruir dos seus benefícios.

 

Vanessa Pais

 

Os benefícios da ingestão da gelatina têm sido estudados nos últimos anos devido à introdução deste alimento na dieta como uma opção saudável. Apesar de nem todos os estudos serem consensuais, a verdade é que destacaram propriedades como o facto de a gelatina ser rica em água e apresentar um baixo teor calórico e, por isso, facilitar a digestão e ajudar a controlar o peso; poder ajudar na redução da inflamação, por conter glicina; contribuir para ossos mais saudáveis, por conter proteína, selénio, fósforo e cobre; além de proteger a pele, as unhas e o cabelo, por ser rica em colagénio.

No entanto, é preciso estar atento aos rótulos e escolher a opção mais adequada à sua dieta. O alerta é feito pela especialista em Medicina Tradicional Chinesa na Essence Prime Care, Filipa Teles, que refere que, “apesar de propriedades como a proteína existirem em quantidades semelhantes em todos os tipos de gelatina, o açúcar varia bastante, o que pode comprometer uma dieta baixa em calorias”. Assim, as opções “light”, “stevia” e “zero” podem ser as mais indicadas para dietas com vista à redução de peso ou que restrinjam a quantidade de açúcar. “O mais importante é escolher os produtos com maior percentagem de gelatina (mais de 60%) e menor de açúcar ou que contenham stevia”, explica.

 

Benefícios para os atletas

No caso dos atletas, a gelatina “pode ajudar a repor a hidratação e o açúcar”, afirma Filipa Teles. Do mesmo modo, para os atletas, é a gelatina “de origem animal que pode apresentar vantagem, pela sua acção ao nível articular”, acrescenta esta especialista.

Neste contexto, Filipa Teles recomenda a introdução da gelatina em snacks pré e pós- -treino. No primeiro caso, “para fornecer a energia e ajudar a reparar lesões ósseas, ligamentares ou musculares, protegendo as cartilagens”, indica. Depois do treino, “pelo seu papel na reposição da hidratação e dos açúcares e, no caso de dietas com restrição calórica, enquanto snack promotor de saciação”, acrescenta.

De destacar ainda, sublinha Filipa Teles, que alguns estudos apresentam a gelatina como “alimento adjuvante na redução dos níveis de colesterol, no controlo da glicemia e no fortalecimento dos ossos e dos tecidos”. Mas é como promotora da síntese e da renovação do colagénio que a gelatina se tem destacado ao nível da investigação, levando muitos especialistas a afirmar que “impede a deformação dos tecidos e age na prevenção e no tratamento de doenças do sistema ósseo e articular”, indica esta responsável.E acrescenta: “Esta propriedade pode ser potenciada com a ingestão de alimentos promotores da formação de colagénio, como os ricos em vitaminas C e B12.”