O mundo compete num paraíso chamado Toscânia

pt281_16
Por trilhos nunca dantes desbravados
1 June, 2017
Kalenji_Kiprun_XT6
A um passo da perfeição
1 June, 2017
1001

Nunca um Campeonato do Mundo de Trail se baseou numa prova tão curta, mas os italianos querem, em 49 km, quebrar convenções e testar a velocidade dos 300 atletas de 40 países que vão competir no Trail Sacred Forests, a 10 de Junho.

T: Rute Barbedo    F: DR

 

Badia Prataglia é parte de uma reserva natural onde, em tempos, abades, monges e outros eremitas se apaixonaram pela floresta. Tem também sido terra de pastores, de prémios pelos trabalhos de carpintaria, de artesanato minucioso em palha, sob a forma de chapéus, cestos e outras preciosidades bucólicas. Uma visão quase divina.

Hoje, na era do turismo, o Parque Nacional das Florestas de Casentino – onde se situa Badia Prataglia, o centro nevrálgico do Campeonato do Mundo de Trail, disputado a 10 de Junho – é procurado pelos amantes da natureza, que querem escapar à urbe e aos tempos frenéticos do trabalho. Dimitri Bonucci, co-organizador da competição, intitulada Trail Sacred Forests, resume: “A Itália é um país lindo, a Toscânia uma região extraordinária e o Parque Nacional de Casentino um lugar mágico.”

Está tudo a postos para a prova máxima – de 49 quilómetros e 2700 metros de desnível acumulado – que coloca lado a lado 300 atletas e 40 bandeiras dos cinco continentes. Além da competição que decidirá quem são os melhores do mundo no trail, duas provas abertas – de 49 e de 80 quilómetros – vão receber mais de 600 amantes da modalidade.

Para Bonucci, as características da corrida principal, sobretudo a distância, “podem conduzir a novos desafios e à revelação de vencedores inesperados”. No entanto, se é para lançar dados, “certamente que equipas como a francesa e a espanhola estarão entre as favoritas”, admite, erguendo uma última carta a favor da sua dolce Itália, que, acredita, “este ano poderá estar entre os lugares da frente”. Sobre a selecção portuguesa, a organização sabe pouco, mas tem- -na “debaixo de olho”. “Não os conheço do ponto de vista técnico, mas sei que são atletas de grande entusiasmo. Já estiveram em meados de Maio em Badia Prataglia para conhecer o percurso, o que revela uma grande atenção e cuidado por parte da equipa”, nota Dimitri Bonucci.

Como todos os bons projectos, o de organizar um campeonato internacional de trail no paradiso mediterrânico aconteceu de forma inusitada. “A ideia surgiu durante um jantar, enquanto a equipa italiana estava a treinar em Badia Prataglia. No início, pareceu-nos quase uma piada, mas depois decidimos candidatar-nos e, a partir daí, movidos pela vontade de fazer algo importante pelo nosso território, começámos a trabalhar para que o projecto acontecesse”, conta o responsável. A parte mais difícil foi “conseguir fundos, como sempre é”, revela o organizador, mas montar uma equipa de voluntários com capacidade de gestão também não se mostrou tarefa simples. No entanto, se o prémio de melhor candidatura seguiu para a Itália, havia que fazer jus à confiança da Associação Internacional de Trail Running (ITRA, na sigla em inglês). “Creio que o território e a nossa experiência [no trail] fizeram a diferença”, justifica Bonucci, deixando uma promessa aos visitantes: “Faremos o nosso melhor para que todos se sintam em casa.”

 

Três perguntas à organização

Além de corrida, o que podem esperar os atletas e visitantes?

Teremos áreas técnicas e com produtos típicos da região abertas desde o dia 6 de Junho. Por outro lado, estão agendados dois concertos: um da orquestra filarmónica local e outro do coro Orophonya. Estão também previstas visitas ao Santuário de Verna e Camaldoli e ao coração das Florestas Casentino. Já a cerimónia de abertura do Campeonato do Mundo terá lugar em frente ao belíssimo Castelo de Poppi, com uma prova de vinhos e um espectáculo com malabarismo e música, tendas de gastronomia e fogo-de-artifício.

Que impacto esperam do evento na região?

Seguramente, será uma exposição internacional de grande prestígio. Mas a mensagem principal que queremos deixar ao nosso território é a de que, com compromisso e dedicação, é possível alcançar resultados importantes nunca antes pensados. Somos um grupo de amigos que decidiu partilhar experiências com a comunidade local, sem qualquer remuneração em troca. E esperamos que o nosso exemplo de cooperação, dedicação, sacrifício, perseverança e ligação ao território (independentes de questões políticas ou económicas) seja uma inspiração para todos, especialmente para as gerações mais novas.

Como é financiada a iniciativa?

Somos apoiados pela Ente Parco Nazionale delle Foreste Casentinesi [entidade que gere o parque nacional onde acontecerá a competição], mas também a Toscana Promozione [agência regional de turismo] e a comuna de Poppi estão a contribuir com ajudas importantes. Ainda assim, não podemos esquecer os patrocinadores privados (que fizeram um esforço quase tão grande como as instituições já mencionadas), particularmente a Banca Mediolanum, a Cmp e a Prozis.