Portugal estreou-se na Red Bull Dolomitenmann

GTSA4_Carlos Sá
Grande Trail Serra D’Arga: Entrevista a Carlos Sá
21 September, 2016
12113340_787396698073230_3361524494740401646_o
Réccua Douro Trail corre-se a 7 e 8 de Outubro
22 September, 2016
Felipe Virgilio Nuno, Pinto Florido Renato, Daniela Noval Marta and Elson da Fonseca Mario

Portugal participou pela primeira vez na Red Bull Dolomitenmann, uma das competições de desporto-aventura mais duras do planeta.  Nuno Virgílio (Parapente), António Palavra (Kayak), Mário Fonseca (Corrida) e Renato Flórido (BTT) regressaram a casa com o sentimento de dever cumprido e com muita vontade de voltar.

Criada em 1988, a Red Bull Dolomitenmann põe quatro atletas a trabalharem em equipa num sistema de estafetas, procurando dar o seu melhor em terra (BTT e corrida de montanha), no ar (parapente) e na água (kayak de águas bravas).

Portugal esteve entre as 106 equipas que participaram este mês na 29.ª edição da competição. A acção esteve centrada como sempre em território austríaco, com partida de Lienz e epicentro na cadeia montanhosa dos Dolomites – uma paisagem considerada pela UNESCO Património Mundial da Humanidade. O bicampeão de parapente Nuno Virgílio, o especialista em águas bravas António Palavra, o corredor Mário Fonseca e, ainda, o ciclista Renato Flórido formaram a Team Portugal. Em conjunto superaram a dureza da montanha, terminando em 42.º lugar da classificação geral.

A partida teve lugar no centro da pequena cidade de Lienz, na região do Tirol, com uma corrida de três quilómetros verdadeiramente demolidora: ao longo desta distância os atletas enfrentaram uma variação de 1800 metros, com alguns pontos do traçado a pique. Mário Fonseca, campeão nacional de Skyrunning Marathon, destaca “a experiência incrível vivida nos Dolomites. Antes de partir para a Áustria li nos regulamentos que era proibido usar material de escalada e sinceramente não percebi, só mesmo quando me vi no terreno com inclinações superiores a 50 graus tomei consciência da dureza que tinha de vencer.”

Terminada a corrida, iniciava-se a etapa de parapente – mas para chegarem ao ponto de descolagem os pilotos tiveram de vencer um trilho íngreme com todo o material às costas. A aterragem aconteceu no estádio dos Dolomites, perante os aplausos de milhares de espectadores. Nuno Virgílio, veterano do parapente, explica que a sua prestação “não dependia apenas do domínio do voo, pois para chegar ao ponto de saída foi preciso sofrer muito”. Em termos gerais, Virgílio mostrou-se “satisfeito e orgulhoso de ter pertencido a esta equipa” – a primeira portuguesa a marcar presença na Red Bull Dolomitenmann.

O percurso de BTT rumou de seguida a Hochsteinkreuz, com uma ascensão vertical de 1500 metros, o que na prática significava que em vários pontos os ciclistas tinham de carregar as suas bicicletas, tal a inclinação que encontraram. Renato Flórido, que substituiu à última da hora o campeão do mundo de maratona BTT, Tiago Ferreira (que não pode estar presente por motivos de saúde), viveu algumas peripécias, a começar por uma queda ainda nos treinos. No fim falou mais alto “a vontade de regressar numa próxima edição com uma melhor preparação específica, uma vez que este tipo de inclinações no traçado do terreno, não se encontram em mais lado nenhum.”

Para terminar, a secção de kayak de águas bravas começava com um pequeno sprint seguido de uma queda de sete metros rumo às correntes agitadas do rio Drava. António Palavra admite que “o desafio foi mais difícil do que esperava, com uma enorme dureza e também zonas muito técnicas”. Além de um momento de apuros, em que o atleta ficou de cabeça para baixo e colidiu com uma rocha, Palavra destaca “a responsabilidade e o peso de ter sido o último elemento a competir”. Na sua memória ficou o momento apoteótico em que alcançou a meta, “com milhares de espectadores a aplaudir, uma sensação nunca antes sentida em muitos anos de canoagem.”

Os vencedores da classificação geral, da austríaca Red Bull Team constituída por Harald Hudetz, Toni Palzer, Paul Guschlbauer e Alban Lakata, cumpriram o traçado num tempo final de 04h07m25s9′ – menos cerca de 30 segundos que os campeões de 2015.

 

www.redbulldolomitenmann.com

 

 

TEAM PORTUGAL

NUNO VIRGÍLIO

Idade: 37 anos

Natural de: Juncal

Modalidade: PARAPENTE

Melhor resultado: Bicampeão Nacional, 9.º no Campeonato da Europa

 

ANTÓNIO PALAVRA

Idade: 44 anos

Natural de: Ovar

Modalidade: Kayak de águas bravas

Melhor Resultado: Campeão Paiva Fest Kayak Extremo

 

MÁRIO FONSECA

Idade: 35 anos

Natural de: Póvoa do Varzim

Modalidade: Corrida de Montanha

Melhor Resultado: Campeão nacional de Skyrunning Marathon

 

RENATO FLÓRIDO

Idade: 35 anos

Natural de: Sesimbra

Modalidade: BTT

Melhor Resultado: Campeão Nacional XCO