Rose Chelimo coloca o Bahrein na história dos campeonatos do mundo

JustinGatlin
Campeonato do Mundo: Gatlin tanto tentou bater Bolt nos 100 metros que conseguiu
5 August, 2017
Miguel Monteiro_0
Quatro medalhas para Portugal no Mundial de Juniores IPC
6 August, 2017
RoseChelimo

Fotos: IAAF e FPA

A maratona do Campeonato do Mundo de Londres foi feita de muitas histórias e quase-histórias, numa competição disputada até aos últimos metros. A atelta do Bahrein, Rose Chelimo, com o tempo de 2h27m11s, levou o ouro pela primeira vez nesta distância num campeonato do mundo para o seu país, que havia apenas chegado ao pódio na maratona num campeonato do mundo na última edição, em 2015, na China, pelo pé de Eunice Kirwa.

Para trás ficou a quase-história da queniana Edna Kiplagate, com 2h27m18s, que ficou a apenas 7 segundos de ser a primeira atleta (entre homens e mulheres) a vencer por três vezes a maratona num campeonato do mundo (venceu em 2011 e 2013). Já a história de Amy Cragg (2h27m18s) fez-se de presistência e determinação. A norte-americana bateu a queniana Flomena Daniel (2h27m21s) nos últimos metros e conseguiu, 34 anos depois, levar os EUA ao pódio da maratona feminina num campeonato do mundo (tal não acontecia desde a medalha de prata de Marianne Dickerson, em 1983, em Helsínquia).

Para a história fica também a “fuga” da atleta britância Alyson Dixon por volta dos 15 km, que a manteve na liderança da prova até aos 25 km, tendo chegado a estar mais de 35 segundos à frente do pelotão. Dixon acabou por cortar a meta em 18.º lugar, com 2h31m36s e certamente, na memória, os aplausos do público que gritaram por ela durante boa parte do percurso.

Filomena Costa termina em 28.º lugar. Catarina Ribeiro desiste.

 

TambéFilomenaCostam a portuguesa Catarina Ribeiro soube o que foi estar na liderança da maratona de um campeonato do mundo. A atleta, na sua estreia na distância ao serviço da selecção, passou em primeiro lugar aos 10 km, com um tempo de 35m35s, seis segundos à frente da segunda classificada, na altura, Amy Dixon, mas acabou por desistir entre os 15 e os 20 km.

 

 

Já Filomena Costa consguiu cortar a meta em 28.º lugar, com o tempo de 2h36m42s, naquela que também foi a sua primeira representação da selecção nacional na distância. A atleta ainda conseguiu manter uma posição no pelotão até à meia maratona, mas acabou por ficar para trás.

 

 

 

 

RicardoRibas

Da parte da manhã, na maratona masculina, o representante português, Ricardo Ribas, abandonou a competição ao quilómetro 18, tendo a mesma sido vencida pelo queniano Geoffrey Kirui em 2h08m27s. O etíope Tamirat Tola ficou na segunda posição, com 2h09m49s, e Alfonse Simbu, da Tanzânia, fechou o pódio, com 2h09m51s.

Nos 400 metros, Cátia Azevedo não foi além da eliminatória. O mesmo destino teve Diogo Ferreira, mas no salto com vara. Lacabela Quaresma, actualmente no 24.º lugar no heptatlo, corre às 20h40 os 800 metros, última prova da competição.

Amanhã saltam os triplistas

Amanhã é dia de triplo salto. Nélson Évora salta para a qualificação às 18h35. Susana Costa e Patrícia Mamona já prometeram “dar tudo” na final, às 20h25. Mas antes disso, e nos 200 metros, é a vez de David Lima lutar pela qualificação às 18h30.