Três portugueses no pódio da 13.ª edição da Maratona do Porto

Mycelium
2.ª Mycelium Running: uma corrida dentro da produção ecológica
6 November, 2016
gut-microbiota
Mantenha a microbiota equilibrada e corra mais e melhor
8 November, 2016
IMG_8573

José Moreira, com o tempo de 2h16m11s, foi o melhor português na Maratona do Porto. O atleta do Sporting Clube de Portugal não conseguiu os mínimos definidos pela Federação Portuguesa de Atletismo (FPA) para se poder candidatar a competir no Campeonato do Mundo de Londres (para os homens a marca é de 2h14m), no próximo ano, mas assegurou o terceiro lugar no pódio. “Estou contente com o resultado, apesar de não ter conseguido os mínimos, e vou continuar a trabalhar para atingir esse meu objectivo, numa próxima maratona, possivelmente em Abril”, revelou José Moreira à RUNning.

Do lado feminino, Catarina Ribeiro estreou-se na distância com um segundo lugar e um tempo de 2h30m10s, conseguindo os mínimos para o Campeonato do Mundo (a marca fixada pela FPA para as mulheres é de 2h32m). A atleta, que já correu pelo Sport Lisboa e Benfica, e se inscreveu na competição como individual, disse “estar muito contente com o desempenho ao longo da prova e com o resultado, bem como com a possibilidade de poder estar presente no Cameponato do Mundo”, admitindo que foi um desfecho surpreendente. Também Filomena Costa foi surpreendida. A atleta do ACD Jardim da Serra terminou no terceiro lugar, com um tempo de 2h30m27s, alcançando igualmente os mínimos para o Campeonato do Mundo, mas não escondeu a tristeza por ter perdido a segunda posição, quando se chegou a acreditar que poderia alcançar a primeira classificada, a queniana Loice Kiptoo que, com um tempo de 2h29m13s, bateu o recorde feminino deste percurso. “A certa altura não consegui mais, só tinha vontade de parar. Não o fiz graças ao apoio dos meus colegas, que puxaram por mim, principalmente o Ricardo Ribas”, explicou Filomena Costa.

Quem não se mostrou surpreendido com o resultado dos portugueses foi o director da prova e da Runporto, Jorge Teixeira, que sublinhou “o apoio e o investimento que a Runporto sempre fez nos atletas portugueses, nos quais sempre acreditou”. E acrescentou: “Temos mais uma vez a confirmação de que a Federação Portuguesa de Atletismo cometeu um grande erro com a Filomena.”

A prova foi ganha pelo queniano Samuel Mwaniki, que cortou a meta após 2h11m48s, seguido pelo japonês Yuki Kawauchi (2h14m32s). Este ano participaram na 13.ª Maratona do Porto cerca de 5000 atletas só na maratona, havendo ainda a Family Race, de 15 km, e a Fun Race, de 6 km. Os vencedores da Family Race foram Hélder Santos, do Sporting Clube de Portugal (45m49s), seguido de Rui Muga, do CA Mogadouro (47m11s) e de Carlos Costa, do CDS Salvador do Campo (47m39s). Daniela Cunha, também do Sporting Clube de Portugal, com 54m13s, venceu a prova feminina, seguida por Solange Jesus, do mesmo clube (54m38s), e Elisabete Azevedo, do Rec. Águeda (55m15s).