Superalimento

Batata-doce: o hidrato do atleta

20 março 2020
3 min
A batata-doce, originária da América Central, chegou à Europa no século XVI, mas só há poucos anos ganhou notoriedade. É um alimento cada vez mais presente na alimentação dos desportistas. A sua riqueza em nutrientes faz deste tubérculo um alimento a considerar na sua lista de compras.

Perfil nutricional

A batata-doce é fonte de potássio e magnésio, mineiras importantes para o bom funcionamento muscular. O potássio é necessário para a contracção muscular e para a regulação dos níveis de fluídos no organismo. Por sua vez, o magnésio permite uma melhoria da actividade muscular, por diminuir os espasmos que possam surgir, tendo ainda uma função determinante como co-enzima de inúmeras reacções, nomeadamente na produção de energia.

A batata-doce é ainda rica em vitaminas A e C, dois anti-oxidantes que ajudam a proteger as células e o processo de recuperação muscular. Contém mais vitamina A do que a cenoura, e bastam 100 gramas deste alimento cozido sem pele para fornecer o dobro da dose diária recomendada desta vitamina. Possui ainda vitamina B5 e B6, que suportam a produção de energia e, no que diz respeito ao teor de fibra, uma batata-doce de tamanho médio cobre cerca de 15% das necessidades diárias deste nutriente.

A sua variedade de cores, desde a alaranjada à púrpura, provém da presença de carotenoides e antocianinas, que têm um potencial anti-inflamatório e anti-oxidante.

A grande vantagem da batata-doce reside no seu teor de hidratos de carbono complexos. Este tipo de hidratos ajuda a regular a saciedade, a gordura em circulação e a normalizar a glicémia. Não é, portanto, de admirar que esteja presente nas dietas de todos aqueles que praticam exercício físico de forma regular.

O recovery ideal

Depois do exercício, os níveis de glicogénio diminuem, sendo que os hidratos de carbono complexos presentes, por exemplo, na batata-doce, que demoram mais tempo a digerir e ajudam o corpo a restabelecer as reservas energéticas, contribuem para repor o glicogénio no organismo, que é reservado sobretudo nos músculos para ser utilizado como combustível para o exercício. Este processo difere do que acontece com os hidratos de carbono simples, uma vez que, quando são ingeridos, a sua maioria transforma-se em glicose para dar rapidamente energia ao organismo, mas quando não são utilizados são guardados sob a forma de gordura.

Versatilidade à mesa

A batata-doce é um alimento bastante versátil. Pode comer-se simplesmente cozido em água, assada no forno, frita nas condições adequadas ou até mesmo em puré. Além disso, é uma excelente opção para celíacos e intolerantes ao glúten, uma vez que não possui esta proteína na sua composição.

Sabia que…

Portugal produz batata-doce certificada? No concelho de Aljezur (Algarve) e no de Odemira (Alentejo) é cultivada uma variedade de batata-doce com certificação comunitária de Indicação Geográfica Protegida (IGP). Esta certificação permite garantir que se trata da variedade Lyra, de cor púrpura ou castanho-avermelhada e polpa amarela. A batata-doce é cultivada de forma tradicional: entre Janeiro e Março prepara-se o viveiro; entre Maio e Junho é feita a plantação e, em Outubro, é finalmente colhida.

In RUNning n.º21

Carolina Tinoco
Partilhar
Agenda
Agenda
Subscrever newsletter RUNning
Inscreva-se para receber novidades acerca dos nossos artigos e notícias, diretamente no e-mail
Parceiros