Estrada
Braima Dabó recebe prémio Fair Play da IAAF
25 novembro 2019
3 min
O atleta da Guiné-Bissau Braima Dabó, que compete ao serviço do Maia Atlético Clube, recebeu o prémio Fair Play da AAF pelo seu gesto nos Campeonatos do Mundo, no Dubai, para com o atleta de Aruba, Jonathan Busby. Eliud Kipchoge e Dalilah Muhammad receberam o prémio de melhores atletas do ano.

Foto: SRDJAN SUKI/EPA

A imagem de Braima Dabó, atleta da Guiné-Bissau, de 26 anos, a residir em Portugal e a competir pelo Maia Atlético Clube, sob a orientação de José Regalo, a carregar, na eliminatória dos 5000 metros dos Campeonatos do Mundo de Atletismo, que decorreram em Doha, no Qatar, Jonathan Busby, de Aruba, que entrou em falência nos últimos 200 metros, correu o mundo. O gesto de Dabó foi elogiado por todos e apontado como um exemplo de Fair Play.

Foi exactamente por esse motivo que o atleta da Guiné-Bissau recebeu o prémio Fair Play da International Association of Athletics Fedeartions (IAAF), no último Sábado, 23 de Novembro, no Mónaco. Braima Dabó durante a Gala disse estar "naturalmente orgulhoso" pela distinção e sobre a sua atitude para com o colega nos mundiais referiu: "Aconteceu o que aconteceu. Uma coisa normal. Para mim, é perfeitamente normal, qualquer um que estivesse naquela posição iria ajudá-lo.” 

Eliud Kipchoge e Dalilah Muhammad como melhores atletas do ano. Recorde-se que Kipchoge protagonizou o momento em que pela primeira vez foi possível correr uma maratona abaixo das 2h00. Já Muhammad bateu o recorde do mundo dos 400 metros barreiras duas vezes este ano.

Selemon Barega e Yaroslava Mahuchikh foram distinguidos com o prémio “Rising Stars”. O etíope, além de conquistar a prata nos 5000 metros, nos últimos campeonatos do mundo, venceu os Campeonatos Mundiais de Corta-Mato e bateu os recordes Sub- 20 dos 5000 e dos 10 000 metros. Já Mahuchikh destacou-se no salto em altura, tendo batido duas vezes o recorde do mundo nos últimos campeonatos, nos quais alcançou a medalha de prata, além de se ter sagrado campeã europeia Sub-20 da disciplina.

O prémio “Coach Achievement” foi entregue ao padre Colm O’Connel. Durante uma carreira de treinador que já dura há mais de quatro décadas, O'Connell, um missionário irlandês que vive em Iten, no Quénia, desde 1976, treinou 25 campeões mundiais e quatro medalhistas olímpicos de ouro, incluindo Wilson Kipketer e David Rudisha, os atletas do ano de 1997 e 2010, respectivamente.

O prémio “presidente” foi entregue à jornalista de atletismo do The Sun, Vikki Orvice, que faleceu em Fevereiro passado, perdendo a batalha contra o cancro. Orvice foi a primeira mulher a desempenhar o cargo de “chairperson” na British Athletics Writers Association.

A lenda etíope, Derartu Tulu, que conquistou títulos olímpicos de 10 000 metros em 1992 e 2000, foi distinguida como “mulher do ano”. Tulu é actualmente presidente interina da Federação Etíope de Atletismo, membro do African Athletics Confederation e vice-presidente da East Africa Athletics Region.

Foi ainda distinguido o espanhol Felix Sanchez Arrazola, que recebeu o prémio de “Fotógrafo de Atletismo do ano”.

Recorde os momentos marcantes dos últimos Campeonatos do Mundo aqui.

 

Partilhar