Estrada

Portugueses querem voltar às provas mesmo sem vacina

21 julho 2020
4 min
Inquérito feito pelo Maratona Clube de Portugal (MCP) demonstra que os portugueses querem voltar às provas, se possível ainda em 2020 e mesmo sem a existência de uma vacina.

Perante a situação de pandemia e as medidas impostas pelas autoridades competentes, nomeadamente pela Direcção-Geral da Saúde, o MCP, tal como muitos outros organizadores de provas, foi forçado a adiar a realização das competições agendadas até Setembro, mantendo apenas, até ao momento, o EDP Grande Prémio de Natal, para 15 de Dezembro.

Precisamente com o objectivo de indagar a apetência dos portugueses para voltar a participar em corridas, qual a altura mais propícia, e perceber quais as medidas que os fariam sentir-se mais seguros e confiantes, o MCP lançou um inquérito, que obteve um total de 1652 respostas.

As conclusões desse mesmo inquérito demonstram uma grande disponibilidade dos corredores para regressar às provas de estrada, já que a maioria (60%) garante pretender participar no mesmo número ou mais de provas. Quando questionados sobre o momento em que consideram seguro voltar a participar, mais de metade dos inquiridos (55%) gostariam que tal acontecesse ainda em 2020. De destacar também a confiança dos corredores em participar em provas sem limite de participantes (45%), e, ainda mais, o facto de 76% dos inquiridos afirmar a sua predisposição em participar em provas de estrada antes da existência de uma vacina para a Covid-19.

No que se refere fatores gerais ou decisões tomadas pelas autoridades competentes que reforçariam a confiança dos participantes são de realçar a taxa de contágio muito baixa ou zero e a autorização por parte da DGS para a realização das provas.

Quanto às medidas que consideram mais relevantes a implementar pelos organizadores de provas destaca-se a política “Se estiver doente, fique em casa” e a manutenção da distância social em locais de concentração de corredores, nomeadamente na partida e na chegada.

"Este estudo é uma das iniciativas que o MCP lançou durante este período de pandemia, a par das provas virtuais promovidas nos últimos meses. A nossa preocupação #1 é a segurança das provas e dos participantes pelo que qualquer medida tomada da nossa parte para o regresso à organização de provas será sempre em consonância com as indicações das entidades competentes. O objectivo deste estudo serve acima de tudo para avaliar o sentimento dos corredores e perceber quais as suas preocupações, em relação à segurança nas provas de Estrada, perante a situação de saúde em que vivemos. Os resultados, e em particular a predisposição dos atletas em manter ou aumentar o número de provas, em que querem vir a participar após a pandemia, deixam-nos mais otimistas em relação à vontade dos portugueses em se manterem activos e com um estilo de vida saudável”, afirmou Carlos Moia, presidente do MCP.

O inquérito foi realizado no passado mês de Junho e o universo do mesmo é composto por inscritos nas provas do MCP, entre Outubro de 2019 e Março de 2020, tendo respondido 1.041 atletas masculinos (63%) e 611 atletas femininos (37%) com idades compreendidas entre os 18 e 65 anos.

“Apesar dos resultados muito animadores do inquérito, vamos naturalmente aguardar a evolução da situação do país e seguir as recomendações da DGS, quanto à realização de eventos de massas em Portugal”, sublinha a organização.

Partilhar