Pista
Campeonatos de Doha: Patrícia Mamona conquista final do triplo salto
09 outubro 2019
4 min
Patrícia Mamona qualificou-se para a final do triplo salto nos Campeonatos do Mundo de Atletismo, em Doha, no Qatar. A atleta foi a melhor das portuguesas, com a marca de 14,21 metros, que lhe valeu a sexta posição no grupo de qualificação e a 10.ª posição no agregado dos resultados.

Foto: FPA

Patrícia Mamona qualificou-se hoje para a final do triplo salto nos Campeonatos do Mundo de Atletismo, em Doha, no Qatar. A atleta foi a melhor das portuguesas, com a marca de 14,21 metros, que lhe valeu a sexta posição no grupo de qualificação e a 10.ª posição no agregado dos resultados.

"O meu objectivo era passar à final, isso foi conseguido. Estive ali muito tempo, porque o segundo grupo atrasou bastante e como não tinha passado directamente à final, fiquei para tentar perceber o que acontecia", disse a atleta na zona mista. Sobre a sua prestação acrescentou: "Tentei um salto longo, que pretendia que desse para passar à final, mas a chamada foi muito distante da tábua. Já no segundo salto tive um percalço, e não o consegui acabar, senti um estalo no joelho, até foi bastante audível e temi o pior, mas foi só um susto, como se viu no terceiro salto. Agora é recuperar o melhor possível para a final. Tive de fazer três saltos e isso deixa alguma ‘mossa’. Com os resultados que deram para chegar à final já se percebe que será de dar tudo."

A final do triplo salto feminino terá lugar no próximo Sábado, 5 de Outubro, às 18h35 (hora de Portugal).

Afastadas da final ficaram as outras duas representantes portuguesas, Evelise Veiga e Susana Costa. A primeira apresentou uma marca de 13, 80 metros, que lhe valeu o oitavo lugar no grupo A e o 18.º lugar na geral, naquela que foi a sua primeira experiência no triplo salto em campeonatos do mundo, já que a sua especialidade é o salto em comprimento, disciplina que disse querer continuar a dedicar-se.

"Chegamos a estas competições com marcas que nos permitem pensar nas finais. Eu queria muito a final. Se me perguntassem, ainda ontem acreditava que era capaz de fazer essa marca para chegar à final, mas não foi possível hoje. Não consegui mostrar o melhor de mim. Estou desgostosa, mas a época foi longa, tentei geri-la da melhor forma para chegar aqui em condições. Não foi possível, mas tenho de estar orgulhosa pelo que tenho feito, ao longo destes anos, acima de tudo por esta época", disse Evelise Veiga no final.

Susana Costa, por seu turno, classificou-se em 12.º lugar  do grupo (20.º da geral), com a marca de 13,77 metros. No final afirmou: "Acreditem ou não este foi o meu melhor. Tive uma época atribulada, enfrentei várias situações, treinei para passar à fase seguinte, a verdade é que não se pode estar aqui a 70 ou a 80 por cento, temos de estar muito melhor. Eu sabia que não estava a 100 por cento, mas com a minha experiência julgava que o treino feito seria suficiente para passar. O nível de todas e a minha forma actual não o permitiram."

Quem também ficou pela fase de qualificação, mas no lançamento do peso, foi Francisco Belo. O atleta português terminou com a marca de 19,52 metros, que não foi suficiente para garantir um lugar na final. "Não estou contente com este resultado, foi uma marca muito má. Como disse há pouco, e parafraseando a grande Telma Monteiro, 'só há plano A'.  Por isso não penso em plano B, que seria estar a controlar e a lançar para meio da tabela, o que não serve absolutamente para nada", disse Francisco Belo, no final da sua prestação.

"O lançamento do peso mundial está com um nível enorme. Felizmente só vêm três atletas por país, senão a qualificação ficaria mais perto dos 22 metros", sublinhou ainda o atleta. E, olhando para o futuro, acrescentou: "Dentro de alguns meses há outro mundial [o de Pista Coberta] e temos os Jogos Olímpicos."

Partilhar