Trail

PT281: organização justifica polémica com alterações no track

28 julho 2020
4 min
Em causa está a vitória de Patrycia Bereznowska, que terá seguido um percurso diferente dos restantes participantes.

 Foto: PT281/ Agnelo Quelhas

Patrycja Bereznowska foi a vencedora feminina e a terceira da geral da PT281, prova de ultradistância portuguesa que este ano ganhou particular destaque por ter sido a primeira a ser realizada no pós-pandemia. Porém, a vitória da polaca está a gerar indignação depois de, segundo acusações que foram agora confirmadas pela organização, ter, em certos pontos, seguido um caminho diferente dos restantes participantes.

João Oliveira, atleta de ultradistância nacional de destaque, é uma das principais vozes críticas da actuação da polaca e da impunidade revelada na posição tomada pela direcção da organização. Indignado com o sucedido, João Oliveira deixou uma longa publicação no Facebook onde questiona a classificação e rejeita inclusive estar na lista de finalistas.

A organização deixou entretanto um comunicado na sua página oficial de Facebook a justificar a polémica e a assumir a falha com uma alteração de track de última hora que terá sido enviada por email e actualizada no site oficial, à excepção da versão inglesa: “Fomos alertados por vários amigos para a existência de uma publicação que referia que a atleta Patrycja Bereznowska tinha atalhado o percurso. O track sofreu alterações de última hora que foram enviados por e-mail e actualizados no site oficial, à exceção da versão inglesa. Falha que assumimos. A Patrycja seguiu, portanto, à risca, o track que tinha no seu GPS, não sabendo que o mesmo era diferente do dos outros participantes. Não pode, por consequência, ser penalizada por um erro ao qual é alheia. A prova é que outros atletas, falantes em inglês, seguiram o mesmo percurso. Resta-nos o consolo de saber que este erro, ainda que involuntário e pelo qual nos penitenciamos, não teve impacto na classificação final. Esta conjuntura de incertezas, de impasse e de muitas alterações em tão curto espaço de tempo contribuiu para este percalço, que nos fará, certamente, tirar ilações para futuras provas”, escreveram os responsáveis.

Por seu turno, João Oliveira respondeu ao texto da organização: “O que a organização tenta justificar não tem justificação”, atira a certo ponto, já que, garante, “não corresponde à verdade”, que o track tenha sofrido alterações de última hora e que apenas a versão inglesa não tenha sido actualizada. “Até se poderia engolir, mas como a organização justifica que o atleta americano Levi Rizk, levava o track correcto, o atleta Checo Jiri Halek, também ter o Track correcto, o atleta Francês Pierre Dechni, também o ter correcto. Todos falam inglês. Isto já não falando nos espanhóis que também o tinham correcto”.

Trajecto pt281

Imagem publicada por João Olveira no seu Facebook

Nas palavras de João Oliveira todos os atletas já saberiam e comentariam durante a prova o percurso seguido por Patrycja, pelo que não haveria como a organização não saber, concluindo ainda com uma crítica particular ao director da prova: “E para não pensarem que estou a criticar a organização, não é esse o meu sentido. Porque a organização é de excelência, do melhor, no receber dos atletas, nas bases de vida, a simpatia da Cruz vermelha, dos fotógrafos. Unicamente só estou a criticar a decisão injusta que tomou o director da prova”.

Leia na íntegra o comunicado deixado pela organização da PT281 na sua página oficial de Facebook aqui.

Partilhar