Trail

Dário Moitoso vence nos Açores

21 setembro 2020
4 min
O atleta da Azores Trail Run Pro Team foi o mais rápido na soma das duas etapas realizadas do Extreme West Atlantic Adventure, com um tempo de 04:08:34.
Foto: Pedro Silva - Azores Trail Run

Estava previsto que a prova passasse não só pela ilha das Flores, mas também pelo Corvo, o que acabou por não acontecer, devido à depressão Paulette, que obrigou a algumas mudanças na estrutura da prova.

Assim, a primeira etapa, que seria «KV Escadinhas do Céu», foi cancelada, a segunda etapa, «Indian Trail Corvo», foi alterada para uma etapa na ilha das Flores, com partida do Poço da Ribeira do Ferreiro e chegada no Lajedo. A terceira etapa «EWAT» manteve-se como previsto.

 

Dário Moitoso e Bruno SilvaFoto: Dário Moitoso e Bruno Silva (Facebook Extreme West Atlantic Adventure)

Dário Moitoso terminou a primeira etapa em 01:14:05 (1.º lugar) e a segunda em 02:54:28.390 (2.º lugar), sempre lado a lado com Bruno Silva, ele que no primeiro dia de prova fez 01:15:04 e no segundo 02:54:28.297, terminando com uma diferença de menos de um minuto para o vencedor. Em terceiro lugar ficou Roberto Vieira, da Praiolas Team - Casa do Povo da Praia do Norte, com pouco mais de 36 minutos de diferença para Dário Moitoso.

Em femininos o pódio ficou composto por Margarida Madeira, Clara Fonseca e Natasha Dias.

Para a organização, a segunda edição do Extreme West Atlantic Adventure foi uma prova superada.

O facto de terem de prescindir da etapa do Corvo, redesenhando a prova não foi dramáticos, uma vez que a organização “está muito habituada aos imprevistos trazidos pelas condições meteorológicas, que, em boa verdade, não podemos chamar de imprevistos, uma vez que temos sempre soluções alternativas desenhadas”, explica o coordenador do Azores Trail Run®, Mário Leal.

Desta forma, o KM Vertical previsto para o primeiro dia de prova, nas Flores, foi cancelado, e a etapa do Corvo, que decorreria no segundo dia, foi transferida para as Flores, onde foi montado um circuito alternativo. No último dia de prova, foi possível fazer a terceira etapa tal como estava inicialmente desenhada.

Para além dos desafios da meteorologia, a organização teve, também de adaptar o evento à nova realidade trazida pela pandemia de Covid-19. Com um plano de contingência pensado ao pormenor para garantir a segurança de todos os envolvidos, devidamente validado pela Autoridade de Saúde Regional, a preocupação da organização foi garantir o cumprimento do planeado e, ao mesmo tempo, garantir que a experiência dos atletas se mantinha plena. “Nas nossas provas a superação pessoal e capacidade atlética são atingidas através de experiências únicas, desfrutando plenamente da natureza dos Açores; dos nossos trilhos fantásticos, mas também da camaradagem com os outros atletas e da hospitalidade dos habitantes locais. Para nós o mais importante era garantir a segurança de todos e a saúde pública, mas de uma forma que garantisse que essa experiência era vivida em pleno. Penso que conseguimos”, refere o coordenador. Extreme West Atlantic Adventure acabou por funcionar como uma espécie de teste para a realização de eventos de trail running de cariz internacional nos Açores, em tempos de pandemia.

Com vários participantes vindos do estrangeiro, o evento, à pequena escala, afigurou-se como um bom ensaio para o Golden Trail Championship, mega evento à escala mundial organizado pelo Azores Trail Run® em parceria com a Salomon, que decorrerá no Faial e no Pico já no final de outubro, e onde são esperados mais de 300 atletas, de dezenas de países.

O Extreme West Atlantic Adventure by Azores Trail Run® conta com o alto patrocínio do Governo Regional dos Açores, e com os apoios das Câmaras Municipais de Santa Cruz e Lajes das Flores, da Cooperativa Ocidental, do Morro Alto Sport Club e da empresa Experience OC.

Resultados completos AQUI.

 

 

 

 

Cátia Mogo
Partilhar