Outras modalidades

Rússia reforça sanções para quem violar regras antidoping

06 abril 2020
2 min
Federação de atletismo russa impõe três anos de suspensão para infractores.

Depois de ter sido castigada pela Agência Mundial Antidopagem (AMA) pelo envolvimento das instituições russas no doping generalizado, com uma pena de quatro anos de afastamento das provas internacionais, a Federação Russa de Atletismo anunciou que os que violarem as regras antidopagem vão agora ser punidos com uma suspensão de três anos. A medida entra em vigor já a partir do próximo dia 10 de Abril.

Suspensa ainda da World Athletics, o organismo afirmou que a decisão é tomada no sentido de “reforçar a responsabilidade de quem trabalha no atletismo”, responsabilidade essa que não se quer apenas de “palavras, mas de actos” e que abrange qualquer violação das regras, "incluindo as de localização e o consumo de substâncias incluídas na lista de proibições”, referiu o organismo em comunicado assinado por Eduard Bezuglov, chefe da comissão antiping.

Depois dos vários escândalos relacionados com doping que conheceram a luz do dia em 2014, a Federação Russa de Atletismo elegeu recentemente Yevgueni Yúrchenko como o novo presidente, que já enviou a Sebastian Coe, o seu congénere da World Athletics, uma carta a admitir a culpa da Rússia no caso de David Lysenco, na sequência do qual, o anterior presidente da federação, Dmitri Shaliajitin, foi afastado.

Entre muitos outros acontecimentos, em Novembro de 2019 surgiu uma denúncia de que altos funcionários russos teriam mentido e falsificado documentos sobre o atleta, justificando o seu paradeiro quando deveria ter sido submetido a testes surpresa.

Ainda no transacto mês de Março, a World Athletics impôs uma série de condições para o regresso da Rússia às competições internacionais, nomeadamente a criação de um grupo de reabilitação composta pelo menos por dois elementos da comissão de atletas, peritos internacionais e o desenvolvimento de um plano de tolerância zero relativamente ao doping, a ser validado pela World Athletics.

Recorde-se que na sequência do castigo atribuído, os atletas russos apenas podem participar como neutros nos Jogos Olímpicos de Tóquio (2021) e nos Jogos de Inverno de Pequim (2022).

Partilhar