02 abril 2020
O “Gajo” em Estado de Emergência

 

Neste tão estranho tempo em que cuidamos dos outros ficando em casa, partilho alguns dos exercícios que tenho realizado e que me irão permitir desafiar qualquer dos melhores trail runners da tugolândia, ou até do mundo (desde que seja para um combate de Sumo).

Nos primeiros dias e ainda com o ritmo intenso trazido do Louzantrail – consegui acabar a tempo do almoço, ok? –, tentei perceber como era possível treinar sem colocar qualquer objeto em risco. 

Arrumadas as paletes de bebidas em cuja fermentação é usada a levedura e acondicionados estrategicamente os pacotes de papel higiénico, protegendo-me de um movimento mais ousado que pudesse vir a fazer – tinha razão em ter comprado tantos –, fiquei com um espaço bem catita e… descansei, claro.

Após visualizar os incontáveis vídeos, ler as milhares de recomendações de médicos que nunca existiram e emocionar-me com o esforço dos que tentam minimizar os efeitos do COVID-19, lancei-me à procura de sugestões para me manter saudável e percebi que temos personal trainerscoaches e chefs (também existem instrutores, treinadores e cozinheiros) em número suficiente para não termos de repetir nenhum deles durante o confinamento ditado pela pandemia. 

E foi assim que preparei um belo risotto de grelos e bacalhau e, nos dias seguintes, um linguini nero com gambas e manjericão e uma deliciosa bruschetta de mozzarella e azeite.

Depois desta homenagem ao povo europeu até à data mais afectado com o vírus conhecido pelo nome de má cerveja, tive de adiar para melhor altura os exercícios que consegui reter como exequíveis de serem feitos por alguém dotado da minha graciosidade.

Mas lancei-me a eles com uma força tal que a vizinha, mantendo o devido distanciamento social, gritou no mesmo tom do seu karaoke interminável que os candeeiros ainda lhe caíam do teto.

Fiquei contente porque estava a fazer os burpees com energia. A outra hipótese é estar mais pesado, mas devemos ser, principalmente nesta fase, positivos.

Tentei então os exercícios aconselhados a realizar recorrendo a uma cadeira ou a um sofá e posso afirmar que consegui estar impecavelmente deitado durante mais de duas horas!

Até já tenho saudades de ouvir as conversas nos transportes, do mau feitio de alguns lojistas e dos trilhos lamacentos, mas não sejam tontinhos e fiquem em casa!

 Um obrigado a todos os que cuidam de mim.

 

Leia outras aventuras de "O gajo que não gosta de correr" aqui.

Já leu a última edição da RUNning? Leia aqui.

Agenda
Agenda
Must haveNovos produtos
Subscrever newsletter RUNning
Inscreva-se para receber novidades acerca dos nossos artigos e notícias, diretamente no e-mail
Parceiros